TikTok: tem prazo sete dias para resolver situação nos Estados Unidos

TikTok: tem prazo sete dias para resolver situação nos Estados Unidos
TikTok: tem prazo sete dias para resolver situação nos Estados Unidos – Foto: Olivier Douliery / AFP

TikTok: tem prazo sete dias para resolver situação nos Estados Unidos.

O prazo para a compra do TikTok por uma empresa norte-americana foi prorrogado mais uma vez. Inicialmente previsto para o dia 20 de setembro, o banimento do aplicativo nos Estados Unidos foi adiado por diversas vezes, e agora tem uma nova data: 4 de dezembro.

A mudança mais recente se deu após um pedido da ByteDance, controladora do TikTok, por conta da falta de resposta do governo norte-americano sobre os planos apresentados para a continuidade do aplicativo no país.

>>TikTok lança recurso para bloquear vídeos que podem causar epilepsia

A empresa alegou que não recebe resposta do Comitê de Investimento Estrangeiro dos EUA (CFIUS) há semanas, e pediu mais 30 dias para esclarecer a situação. Com isso, o prazo se estendeu para o dia 27 de novembro.
Continua após a publicidade

Entretanto, a Bloomberg e a Reuters relatam que, em processos judiciais recentes, o TikTok vem usando o dia 4 de dezembro, dizendo que recebeu uma extensão de sete dias.

>>Snapchat lança destaques com objetivo de destronar o TikTok e os Reels

Segundo um porta-voz do Tesouro dos EUA, o atraso é para que o governo possa analisar com calma uma apresentação da empresa ao CFIUS. Além disso, o TikTok e alguns influenciadores da plataforma levantaram diversos desafios legais para evitar que as proibições propostas entrem em vigor.

Outro ponto de desacordo é a questão presidencial. Com a derrota do atual presidente Donald Trump nas eleições, o novo governo pode não continuar com o processo de banimento. Ainda não está claro qual é o posicionamento do presidente eleito, Joe Biden, sobre a proibição do TikTok, então possivelmente ainda teremos mais alguns capítulos dessa novela.

>>TikTok entra novamente na Justiça para não ser banido dos EUA

Fonte: iG

Veja mais