Mais casos de reinfecções de COVID-19 são relatados

Mais casos de reinfecções de COVID-19 são relatados
Mais casos de reinfecções de COVID-19 são relatados | © TYLER OLSON / Shutterstock

Mais casos de reinfecções de COVID-19 são relatados

Os cientistas estão monitorando de perto o aumento de casos de pessoas que tiveram COVID-19 e que, após serem curadas, foram infectadas novamente. Isso mostraria que os anticorpos criados pelo corpo para neutralizar a doença decaem rapidamente e a imunidade não é muito duradoura.

A revista Science Magazine destacou em publicação o caso de Sanne de Jong, enfermeira de 22 anos que recebeu diagnóstico positivo para coronavírus no dia 17 de abril deste ano, apresentando sintomas leves durante duas semanas. Em 2 de maio, finalmente, um novo teste deu negativo e ela voltou a trabalhar no hospital de Rotterdam, na Holanda.

>OMS não recomenda mais remdesivir para o tratamento do coronavírus

Porém, em julho voltou a apresentar quadro sintomático semelhante ao do COVID-19, mas acreditava que não adiantava se alarmar porque já havia sofrido da doença. Seu médico recomendou fazer um novo teste: uma nova infecção seria rara, mas não impossível, o médico explicou à menina que, a essa altura, já havia perdido o cheiro e o paladar e estava com fortes dores abdominais e diarreia.

“Você está brincando comigo?”, A enfermeira perguntou aos técnicos de laboratório que lhe deram um segundo positivo para o vírus SARS-CoV-2.

>Nova lei de trânsito: o que pode mudar para fazer da CNH? Entenda!

Reinfecções: cada vez mais frequentes?

“A pergunta que todos querem responder é: a segunda vez será menos séria na maioria das vezes ou não?” diz Derek Cummings, que estuda a dinâmica das doenças infecciosas na Universidade da Flórida. “E o que as reinfecções nos ensinam sobre a imunidade ao SARS-CoV-2 em geral?”

Relatos de reinfecções por coronavírus não são novos: cientistas sul-coreanos  relataram  as primeiras reinfecções suspeitas em abril, mas demorou até 24 de agosto para que   um caso fosse oficialmente confirmado: um homem de 33 anos que foi tratado em um hospital de Hong. Kong para um caso moderado em março que testou positivo novamente no aeroporto de Hong Kong em 15 de agosto, após retornar de uma viagem da Espanha. Desde então, pelo menos 24 outras reinfecções foram oficialmente confirmadas no país, mas os cientistas dizem que é definitivamente uma subestimativa.

Para se qualificar como um caso de reinfecção, o paciente deve ter sido submetido a testes de reação em cadeia da polimerase (PCR) duas vezes com uma distância de pelo menos um mês sem sintomas. Mas a virologista Chantal Reusken, do Instituto Nacional Holandês de Saúde Pública e Meio Ambiente (RIVM), explica que um segundo teste também pode ser positivo porque o paciente tem um resíduo de RNA viral não replicante de sua infecção original no trato respiratório, devido ao primeira infecção que não foi completamente suprimida pelo sistema imunológico.

Em caso de dúvidas, estudos mais complexos podem ser realizados para ler as duas sequências genéticas completas – o primeiro e o segundo contágio – para determinar se são suficientemente diferentes entre si, explica Paul Moss, hematologista da Universidade de Birmingham, Reino Unido. No entanto, em muitos casos, não é encontrado material genético suficiente para chegar a um diagnóstico definitivo.

É por isso que o número de casos confirmados de reinfecção é muito menor do que o número de casos suspeitos de reinfecção: apenas a Holanda tem 50, o Brasil 95 , a Suécia 150, o México 285  e o  Catar pelo menos 243.

Esse fenômeno pode se tornar mais comum nos próximos meses, à medida que os primeiros pacientes começam a perder sua imunidade. As reinfecções com os quatro tipos de coronavírus de gripe ou resfriado comum ocorrem em média 12 meses, de acordo com um estudo da virologista Lia van der Hoek do University Medical Center de Amsterdam, e ela acredita que o COVID-19 Eu poderia seguir esse padrão. “Acho que é melhor nos prepararmos para uma onda de reinfecções nos próximos meses … más notícias para aqueles que ainda acreditam na imunidade de rebanho por meio de infecções naturais”, alerta.

Veja mais