Lei que cria auxílio de R$ 16 bilhões para estados e municípios é sancionada

Lei que cria auxílio de R$ 16 bilhões para estados e municípios é sancionada
Lei que cria auxílio de R$ 16 bilhões para estados e municípios é sancionada – Foto: Pixabay

Lei que cria auxílio de R$ 16 bilhões para estados e municípios é sancionada.

Da Agência Câmara – Entrou em vigor nesta quarta-feira (19) a Lei 14.041/20, que cria auxílio financeiro de até R$ 16 bilhões para compensar estados, o Distrito Federal e municípios pela diminuição de repasses federais durante a crise econômica causada pela pandemia de Covid-19.

A lei foi publicada no Diário Oficial da União e é oriunda da Medida Provisória 938/20; que foi relatada na Câmara pelo deputado Hildo Rocha (MDB-MA).

>Governo de SP oferece 10 mil vagas com auxílio-desemprego e curso de qualificação profissional

Segundo o Tesouro Nacional, dos R$ 16 bilhões destinados à compensação de perdas no Fundo de Participação dos Estados (FPE) e no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), até ontem foram repassados R$ 9,86 bilhões.

O socorro decorre inicialmente das perdas nos repasses dos fundos de participação (FPE e FPM) nos meses de março a junho de 2020 em relação a igual período de 2019. Originalmente a MP 938 determinava à União compensar as perdas entre março e junho e transferir o dinheiro até o final de julho, considerando o limite mensal de R$ 4 bilhões e total de R$ 16 bilhões.

>Projeto libera auxílio de R$ 600 para professores de creches e pré-escolas demitidos

Após mudanças na Câmara, a lei manteve o valor do repasse (R$ 16 bilhões), mas ampliou o período de apuração das perdas em cinco meses, até novembro. E determinou que a diferença ainda não repassada (R$ 6,14 bilhões) será transferida até lá. A partir do mês de julho, o limite mensal para repasses será de até R$ 2,05 bilhões.

Veto

A nova lei teve apenas um veto do presidente Jair Bolsonaro. Ele excluiu o dispositivo que obrigava a União a distribuir aos entes federados eventuais sobras de recursos do auxílio financeiro após novembro.

>Nova lei dá prazo de 120 dias para devolução de de dinheiro do auxílio federal

O presidente alegou que a medida, ao impedir o retorno dos “saldos sobressalentes do apoio financeiro” aos cofres da União, extrapola o objeto da lei. Afirmou ainda que a regra faria com que os repasses finais ficassem acima das perdas do FPE e FPM.

O veto será analisado agora pelos deputados e senadores, em sessão conjunta a ser marcada. Os parlamentares poderão manter a decisão presidencial ou derrubá-la, incluindo o dispositivo na lei.

>Auxílio Emergencial: Um retrato do impacto da grana na vida dos brasileiros

Veja mais