Fraudes no BPC/LOAS iriam gerar prejuízo de mais de R$ 21 milhões

Fraudes no BPC/LOAS iriam gerar prejuízo de mais de R$ 21 milhões
Fraudes no BPC/LOAS iriam gerar prejuízo de mais de R$ 21 milhões

Fraudes no BPC/LOAS iriam gerar prejuízo de mais de R$ 21 milhões.

A Operação Cucurbitum da Força-Tarefa Previdenciária e Trabalhista prendeu, na manhã desta quarta-feira (02/12), em Jeremoabo (BA), duas pessoas acusadas de integrar uma quadrilha que fraudou, pelo menos, 150 benefícios assistenciais (BPC/LOAS).

>>Tá liberado: confira o calendário de pagamentos de benefícios do INSS para 2021

Com a ação, foram evitadas perdas de mais de R$ 21 milhões, considerando pagamentos futuros que seriam realizados. O cálculo teve como base a expectativa de vida projetada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Além das prisões preventivas, também foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão na cidade baiana.

>>Nova data: INSS prorroga prazo para Prova de Vida de aposentados e pensionistas

Investigação

De acordo com as investigações, os criminosos atuavam desde 2017. Para garantir os benefícios destinados ao idoso em situação vulnerável, eles criavam documentos falsos com pessoas fictícias. Depois, aliciava pessoas que se enquadrassem no perfil desse tipo de beneficiário para requerer no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) o benefício utilizando a documentação falsa.

>>Estes beneficiários do Auxílio recebem parcela hoje, mas só podem sacar dia 15

Até o momento a quadrilha já havia gerado um prejuízo estimado de cerca de R$ 10 milhões, relativos aos 150 benefícios assistenciais suspeitos, número que pode aumentar com a continuidade das investigações. Os criminosos responderão por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso, penas que podem chegar a 25 anos de prisão.

>>Com o fim do auxílio e Renda Cidadã indefinido, Bolsa Família continua em 2021?

A Força-Tarefa Previdenciária e Trabalhista é integrada pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, pela Polícia Federal e Ministério Público Federal e atua em conjunto no combate a crimes contra o sistema previdenciário. Na Secretaria Especial, cabe à Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) investigar a analisar os indícios de crime.

Veja mais