Donald Trump melhora, mas as próximas 48 horas serão “decisivas”

Donald Trump melhora, mas as próximas 48 horas serão "decisivas"
Donald Trump melhora, mas as próximas 48 horas serão “decisivas”

Donald Trump melhora, mas as próximas 48 horas serão “decisivas”

O presidente Donald Trump passou um período “muito preocupante” na sexta-feira e os próximos dois dias serão “decisivas” em sua luta contra o COVID-19 em um hospital militar, informou seu chefe de gabinete no sábado, que contrasta com a avaliação otimista feita anteriormente pelos médicos do presidente, que tentaram não relatar que ele havia recebido oxigênio suplementar na Casa Branca antes de ser hospitalizado.

Trump informou sua própria avaliação na noite de sábado em um vídeo do Centro Médico Militar Nacional Walter Reed, onde afirmou que estava começando a se sentir melhor e estava confiante de que “voltaria logo”.

Horas antes, o chefe de gabinete Mark Meadows disse a repórteres fora do hospital que “ainda não estamos em um caminho claro para a recuperação total”. No relatório mais atualizado sobre o estado de saúde do presidente, seu médico-chefe expressou otimismo cauteloso na noite de sábado, embora tenha acrescentado que o presidente “ainda não está fora de perigo”.

Versões inconstantes

As versões inconstantes e às vezes contraditórias criaram uma crise de credibilidade para a Casa Branca em um momento crucial quando a saúde do presidente e a liderança do país estão em jogo. Diante da expectativa de que Trump continue hospitalizado por vários dias e as eleições presidenciais se aproximam, os americanos continuam preocupados com seu estado de saúde.

Além disso, a saúde do presidente representa uma questão de segurança nacional de extrema importância não apenas para as funções do governo dos Estados Unidos, mas para os países do resto do mundo, aliados e inimigos.

As informações divulgadas neste sábado pelo comandante da Marinha, Dr. Sean Conley, e outros médicos levantaram mais perguntas do que respostas. Conley se recusou repetidamente a dizer se o presidente precisava de oxigênio suplementar, apesar das persistentes perguntas, e se recusou a compartilhar outros detalhes cruciais, como quão alta a febre de Trump subiu antes de a temperatura voltar ao normal. Conley também revelou que Trump começou a acusar “sinais clínicos” de COVID-19 na tarde de quinta-feira, mais cedo do que se acreditava.

Conley passou grande parte da conferência evitando perguntas dos repórteres que o pressionavam por detalhes.

“Quinta-feira sem oxigênio. Nada no momento, e ontem com a equipe, quando estávamos todos aqui, ele não tinha oxigênio”, disse Conley.

O estado de saúde de Trump

De acordo com uma pessoa que conhece a saúde de Trump, o presidente recebeu oxigênio na sexta-feira de manhã na Casa Branca, muito antes de ser levado de helicóptero ao hospital militar ao anoitecer. Esta pessoa solicitou anonimato da agência AP porque não estava autorizada a fazer declarações públicas.

Conley observou que os sintomas de Trump, como tosse leve, congestão nasal e fadiga “estão se resolvendo e melhorando”, e disse que Trump está sem febre em 24 horas. No entanto, Trump também está tomando aspirina, que reduz a temperatura do corpo e pode ocultar ou atenuar esse sintoma.

“Ele está de muito bom humor”, disse outro médico, Sean Dooley, que observou que as funções cardíaca, renal e hepática do presidente estavam normais e que ele não tinha problemas para respirar ou andar.

Em seu relatório noturno sobre o presidente, Conley observou que Trump estava de pé e circulando em sua sala de saúde sem dificuldade e está realizando suas atividades. “

“Embora ainda não esteja fora de perigo, a equipe continua com um otimismo cauteloso”, disse ele.

No vídeo do hospital, Trump defendeu sua decisão de continuar fazendo campanha e realizando eventos de massa em meio à pandemia.

“Não tive escolha”, disse Trump, que se recusou a seguir as recomendações básicas de saúde pública, como usar máscara. “Tive que sair e estar na frente. Não posso me trancar em um quarto para ficar totalmente seguro… Como governante, você tem que enfrentar problemas”. Concluiu o presidente.

Veja Outras Notícias

>Brasil deve produzir 265 milhões de doses da vacina de Oxford em 2021

>Projeto prevê mesma pena de tráfico para quem usar drogas na frente de crianças

Veja mais