Donald Trump luta por votos em Nevada, enquanto a Pensilvânia reafirma Joe Biden

Donald Trump luta por votos em Nevada, enquanto a Pensilvânia reafirma Joe Biden
Donald Trump luta por votos em Nevada, enquanto a Pensilvânia reafirma Joe Biden

Donald Trump luta por votos em Nevada, enquanto a Pensilvânia reafirma Joe Biden

Na terça-feira, 17 de novembro, uma nova denúncia foi anunciada pela campanha do presidente dos Estados UnidosDonald Trump, alegando supostas “irregularidades substanciais” e “fraude” nos votos do estado de Nevada.

Tudo isso aconteceu em um momento tenso no chamado “país das oportunidades”, com o republicano retirando  Chris Krebs, diretor da Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura (CISA), de seu cargo , enquanto o Supremo estadual da Pensilvânia rejeitou um demanda e reconheceu a contagem de votos.

O democrata Joe Biden obteve em Nevada, segundo as autoridades eleitorais, 50,1% dos votos contra 47,7% de seu adversário, cifras que foram contestadas pela campanha republicana ao solicitar a anulação dos resultados ou a concessão dos seis votos que oferece para Donald Trump.

No processo judicial, é apontada uma suposta falta de confiabilidade na máquina encarregada de processar os votos e escanear a firma Agilis no condado de Clark, bem como em todos os dispositivos de votação eletrônica do referido estado de Nevada.

Além disso, foi alegada uma suposta negação de acesso a observadores do processo de verificação para votos mistos e “irregularidades” em alguns programas de divulgação para nativos americanos.

Nada menos que 40 mil votos e possivelmente mais foram afetados por esses vários defeitos. Esta margem é maior do que a margem entre o presidente Trump e Joe Biden em Nevada, argumentou a campanha.

Por outro lado, também em 17 de novembro, foi divulgada uma decisão da Suprema Corte da Pensilvânia, revertendo a decisão de um tribunal inferior, que considerou que a Filadélfia havia violado uma lei ao não permitir acesso suficiente aos observadores republicanos.

Os juízes estaduais consideraram que a citada cidade não violou as normas estabelecidas ao manter afastados os observadores, pois era necessário seguir essas medidas para prevenir a disseminação do coronavírus.

Os juristas lembraram ainda que a lei estadual permite que as entidades políticas tenham apenas um representante autorizado no local onde se registram previamente as cédulas de “ausente” ou “voto pelo correio”.

>Bolsa Família: Beneficiários com NIS final 2 recebem hoje auxílio

Veja mais