Desemprego cresce 33% em 5 meses de pandemia, diz IBGE

Desemprego cresce 33% em 5 meses de pandemia, diz IBGE
Desemprego cresce 33% em 5 meses de pandemia, diz IBGE

Desemprego cresce 33% em 5 meses de pandemia, diz IBGE.

Os brasileiros estão retornando à busca por oportunidade de trabalho, mas não estão encontrando. É o que indicam dados da Pnad Covid de setembro, divulgados nesta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desde maio, início da pesquisa, o número de desempregados cresceu 30,6%, atingindo 13,5 milhões no último mês. São mais 3,4 milhões no grupo de desocupados em cinco meses.

>>Proposta dá seguro-desemprego para funcionário suspenso na pandemia

No mês passado, a taxa de desemprego subiu para 14%, no maior patamar desde maio. Em agosto, estava em 13,6%. A alta do desemprego era projetada por economistas, diante da flexibilização dos protocolos de distanciamento social por conta da pandemia de Covid-19 e diminuição do impacto do auxílio emergencial.

Há uma relação inversa entre taxa de desocupação e taxa de isolamento social. Ou seja, à medida que o indicador de distanciamento cai, o desemprego sobe. Mais de 400 mil pessoas fentraram nas estatísticas de desemprego em apenas um mês.

O problema é que as pessoas estão procurando emprego, mas não estão encontrando. Ou seja, a busca por emprego cresce em ritmo superior ao número de pessoas empregadas, levando ao aumento da taxa de desocupação.

>>Demitidos na pandemia podem ter direito a mais parcelas de seguro-desemprego

Na metodologia do IBGE, é considerado desempregado apenas quem efetivamente procura emprego e não acha. Por isso, muitas das pessoas que hoje buscam emprego foram demitidas na pandemia e somente agora retomam, seja por maior confiança na economia, controle da curva epidemiológica ou fim de medidas emergenciais.

Entre maio e julho, segundo a Pnad Covid, mais de 2,9 milhões de pessoas perderam o emprego. Na avaliação dos pesquisadores Maria Andreia Parente Lameiras e Marco Cavalcanti, ambos do Ipea, o desemprego deverá continuar crescendo nos próximos meses.

Eles lembram que o número de pessoas não ocupadas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho permanece elevado: 26,1 milhões na média de setembro. Esse número vem caindo, foi de 28,3 milhões em julho e 27,2 milhões em agosto, mas a queda tem sido lenta.

>>Desemprego chega a 14 milhões na quarta semana de setembro, segundo IBGE

Pico de desemprego em 2021

Há ainda, segundo os pesquisadores, um elevado percentual de pessoas que não procuraram trabalho possivelmente por conta da pandemia (61,3%), indicando que, apesar da diminoção gradual, os efeitos diretos da pandemia no mercado de trabalho ainda são relevantes.

“Na medida em que a evolução da pandemia permita a continuidade dos processos de flexibilização das restrições às atividades socioeconômicas e de recuperação do nível de atividade, e tendo em vista também a redução do valor do auxílio emergencial nos próximos meses, espera-se que o nível de participação na força de trabalho aumente até o final do ano”, ressaltam os pesquisadores.

>>Governo muda formulário do eSocial e lança revisão de normas trabalhistas

Eles complementam:

“O nível de ocupação também deverá aumentar, mas é razoável esperar que, conforme ocorrido até agora, não em um ritmo forte o suficiente para impedir que a taxa de desocupação continue a elevar-se”.

Especialistas projetam que o pico de desemprego ocorra em meados em 2021, quando as medidas emergenciais forem completamente interrompidos. Analistas da Genial Investimentos estimam que o ano terminará com desemprego ao redor de 15%.

>>Auxílio Emergencial: 5,4 milhões de trabalhadores recebem mais uma parcela

Fonte: iG

Veja mais