China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra covid-19

China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra covid-19
China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra covid-19 – Foto: Xinhua/Zhang Yuwei

China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse à China que apoia e compreende que o país inicie a administração de vacinas contra coronavírus experimentais enquanto os testes clínicos ainda estão em andamento, disse uma autoridade de saúde chinesa nesta sexta-feira (25).

>Rússia registrará segunda vacina contra covid-19 até 15 de outubro

A China fez contato com a OMS no final de junho e lançou seu programa emergencial em julho. Isso, de acordo com Zheng Zhongwei, autoridade da Comissão Nacional de Saúde do país.

Centenas de milhares de trabalhadores essenciais e outros grupos limitados de pessoas que se consideram correrem risco alto de infecção receberam a vacina. Embora sua eficácia e segurança ainda não tenham sido plenamente estabelecidas, já que os testes clínicos de estágio avançado estão incompletos.

>Fiocruz irá testar eficácia da vacina da tuberculose contra o Coronavírus

“No final de junho, o Conselho de Estado da China aprovou o plano de um programa de uso emergencial de vacina contra coronavírus”, disse Zheng em uma coletiva de imprensa.

“Após a aprovação, em 29 de junho, fizemos contato com os representantes relevantes do escritório da OMS na China e obtivemos apoio e compreensão da OMS”, disse.

>Estados Unidos superam 200 mil mortes confirmadas de Covid-19

O representante da OMS na China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Então, a cientista-chefe da agência, Soumya Swaminathan, disse em Genebra neste mês que autoridades reguladoras nacionais podem aprovar o uso de produtos médicos em suas próprias jurisdições na situação atual de emergência. Mas descreveu a medida como uma “solução temporária”.

A solução de longo prazo está na conclusão dos testes de estágio avançado, disse a autoridade da OMS.

Fonte: Agência Brasil

Veja mais